A Calvice


Saiba tudo sobre este problema que afeta, em maior ou menor intensidade, cerca de 60 a 70% dos homens e 5 a 10% das mulheres.
 
Esclareça dúvidas e agende sua consulta: SP (11) 3031.1221 e RJ (21) 4063-9102
TRATAMENTO CLÍNICO

Para entender como o tratamento clínico funciona, você precisa primeiramente entender como a calvície funciona, então vamos lá.

Como ocorre a queda dos cabelos?

Como já dissemos, existem fios SIM e fios NÃO para a calvície, isto é, existem fios com predisposição genética para a calvície e fios que não carregam o código genético para a calvície.
Ambos caem, a diferença é que os fios que NÃO estão predispostos geneticamente, caem grossos quando completam seu ciclo de vida e quando isto ocorre, já estão sendo imediatamente repostos por outros de mesma espessura.

Enquanto que os fios SIM, ou seja, aqueles que carregam o código genético sofrem um processo de queda totalmente diferente, pois eles não caem grossos como fios de cabelos normais.

Os fios que possuem o código genético para a calvície, possuem em suas raízes, receptores para um hormônio que se chama dehidrotestosterona, mais conhecido como DHT. Este hormônio faz com que os fios sofram um processo de atrofiamento gradativo de miniaturização. Ele se liga aos receptores fazendo com que o fio enfraqueça e vá encolhendo se transformando assim, numa penugem invisível a olho nu, que quando cai não é reposta, estabelecendo-se então a calvície.




Imagem microscópica de couro cabeludo (aumento de 50xx)
Note o processo de atrofia dos fios de uma mesma área.

Portanto, não se preocupe com aqueles fios grossos que você vê cair todos os dias, com aqueles que entopem o ralo, enchem as escovas e pentes, pois esses serão repostos, mas sim com aqueles que você não vê cair. Basta reparar na escova de cabelo de uma mulher com uma vasta cabeleira e notar que apesar de estar cheia de cabelos, ela não é calva.

Mitos:

Uso freqüente de bonés, lavar muito a cabeça, stess, etc...não fazem ninguém ficar calvo. Pode acontecer da pessoa que já tinha predisposição genética para a calvície sofrer uma aceleração nesse processo e ficar calva um pouco mais cedo, mas ficará exatamente com a mesma calvície que ficaria sem a atuação desses fatores.

A boa notícia é que hoje em dia, temos como retardar, frear e até mesmo reverter esse processo, adiando assim a evolução da calvície e muitas vezes até mesmo melhorando o seu quadro, dependendo da fase e do grau em que a mesma se encontra.

Terapias Clínicas:

Os dois únicos medicamentos de eficiência cientificamente comprovada são o Minoxidil e a Finasterida.

- Minoxidil: Age melhorando a circulação do couro cabeludo e consequentemente retardando a queda do cabelo. Isoladamente os resultados são limitados, mas associado a outros tratamentos podem ser obtidos bons resultados. Ele pode ser manipulado em farmácias de manipulação E APENAS DEVE SER USADO COM PRESCRIÇÃO MÉDICA  e após avaliação de um especialista para saber se seu caso tem ou não indicação.

- Finasterida: é o único tratamento que age na CAUSA da calvície. Utilizado na forma oral ou tópica, é encontrada de forma genérica, ou nome comercial (propecia, finalop): atua bloqueando a ação da DHT sobre os receptores dos bulbos capilares dos fios predispostos à calvície. Funciona bem para as áreas do meio e da coroa, não atuando do mesmo modo para a frente e entradas. Dependendo da fase da calvície, da área afetada e da idade do paciente, a finasterida pode até mesmo melhorar o quadro de calvície já que, ao reverter o processo, engrossará os fios que estavam em fase de miniaturização, dando maior cobertura e portanto a "impressão" de que cresceu cabelo.

Saiba sobre finasterida, veja fotos e tire suas dúvidas sobre efeitos colaterais clicando aqui.

- Outros: Alguns especialistas utilizam tratamentos tópicos realizados em consultório, como a mesoterapia

capilar: nesse tratamento, "princípios ativos" são injetados diretamente na derme (pele) do paciente, muitas vezes com bons resultados.
O uso de shampoo anti-queda sempre foi muito popular, mas seus efeitos são muito limitados. São mais indicados para tratar outros fatores que contribuem para a queda de cabelo, como a dermeeatite seborréica (caspa) entre outros. Massagens capilares também auxiliam na ativação e estimulação da circulação sanguínea do couro cabeludo contribuindo para um retardo na evolução da calvície.
Seu especialista saberá que terapia utilizar dependendo do tipo, histórico, idade, etc...de sua calvície.

Para finalizar, é bom lembrar que “NÃO EXISTEM REMÉDIOS OU TERAPIAS CAPAZES DE FAZER CRESCER CABELO”. O que existe são tratamentos medicamentosos ou não, que retardarão o processo de calvície, pois os fios de cabelos SIM para a calvície, irão cair de qualquer forma algum dia. Essas terapias são capazes de "frear" por um determinado período o processo de calvície, porém não mudarão o aspecto final da mesma, apenas retardarão sua evolução e obviamente depende do nível em que o indivíduo se encontra.

Podemos utilizá-los como coadjuvantes, ou seja, para retardar a necessidade do transplante capilar ou mesmo de um segundo tempo cirúrgico, ou seja, o transplante restituiria os cabelos perdidos, enquanto o tratamento clínico manteria os que já existem. Em linguagem leiga: o transplante abriria a torneira, enquanto a finasterida fecharia o ralo.


Próx.: O Transplante
Ant.: Resultados femininos
  Clínica Ruston
Av. Engenheiro Oscar Americano, 60 - Cidade Jardim
São Paulo - SP - Brasil
Telefax: SP +55 (11) 3031.1221 | RJ (21) 4063-9102