A Calvície Feminina

A queda acentuada de cabelo entre mulheres é muito mais comum do que se imagina e, ao contrário do que se pensa, a calvície não é um problema só dos homens. Pesquisas indicam que uma entre cada cinco mulheres pode vir a apresentar um tipo ralo e fino de cabelo e rarefações em algumas áreas.
 
Esclareça dúvidas e agende sua consulta: SP (11) 3031.1221 e RJ (21) 4063-9102
CAUSAS

As causas da calvície feminina, diferentemente das dos homens que é, em 99% dos casos é genética, podem ser muitas e nem sempre fáceis e simples de serem detectadas e tratadas em sua origem.

As mais comuns são:

- androgenética, isso é, de origem genética.Corresponde à cerca de 70% das calvícies femininas. Geralmente outras mulheres na árvore genealógica (mãe, tias, avós, etc..) apresentam ou apresentaram rarefação capilar. Nesse caso, o único tratamento é a cirurgia de microtransplante capilar.

- para ver resultados de transplante capilar e tratamento clínico em mulheres clique aqui.

Saiba mais sobre alopecia androgenética feminina no final desse tópico ou clicando aqui.

Outras causas:

- Efluvio telógeno: um tipo comum de perda de cabelos em mulheres e que ocorre quando um grande percentual de fios estão, ao mesmo tempo, na fase telógena, isso é, na fase pré-queda do fio, fase essa em que ele se encontra fino e com espessura bem menor. Isso ocorre devido a distúrbios hormonais, nutricionais, stress, etc... Tem inicio geralmente na fase adulta jovem ou adolescência e geralmente é resolvido somente com tratamento clínico.


- Tricotilomania: ato compulsivo de arrancar os cabelos. Geralmente falhas em áreas localizadas. Não podem ser tratadas clínica ou cirurgicamente até que as causas emocionais e psicológicas sejam solucionadas.

- alopecia areata: doença autoimune que causa perda localizada de cabelos. Exame médico apurado é necessário para estabelecer diagnóstico.

- Alopecia cicatricial: pode ser causada por tração excessiva dos cabelos. Por exemplo: mulheres negras que prendem os cabelos para trás tracionando-os muito tendem a ficar com a testa alta. Pode também ser devido seqüelas de queimaduras, cirurgias plásticas faciais, radioteraia, etc...

Nesses casos, a única solução é o transplante capilar (veja aqui alguns resultados)

- Sistêmicas:

1 . Níveis hormonais aumentados - neste caso deve-se investigar a causa deste aumento, que pode ser decorrente de situações como desde um "banal" cisto de ovário até um tumor do mesmo ou de supra-renal. O tratamento depende da causa.

2 . Níveis hormonais normais - neste caso medicações que "modulam" os hormônios masculinos produzidos pela mulher são os mais indicados. São os assim chamados anti-andrógenos. Podem ser medicamentos hormonais ou não. Mas em geral devem ser cuidadosamente monitorados pelo médico e são de uso prolongado. Um efeito começa a ser percebido após 3 a 6 meses de tratamento.


  Clínica Ruston
Av. Eng. Oscar Americano, 60 - Cid. Jardim - SPaulo/SP - Brasil
Tels. SP: +55 (11) 3094-7474 e 4329-1310
Tel. RJ (21) 4063-9102